segunda-feira, 2 de julho de 2012

Regresso aos trabalhos

Hoje o futebol nacional está de regresso ao trabalho. Ainda não começaram os jogos mas as equipas retomam os trabalhos de pré-temporada. Benfica, FCP, Braga, Guimarães e outros regressam após um defeso pouco mexido. No entanto é um factor que se percebe tendo em conta a crise que atravessamos mas também o facto do Europeu ter agora acabado e as principais movimentações internacionais começarem-se a fazer agora. Não que os clubes portugueses venham a efectuar grandes transacções, mas porque dos excedentários das grandes equipas que se irão abastecer aos países que estiveram no Euro, pode haver um ou outro craque que venha parar cá a Portugal.

Sintoma da crise financeira é o facto de Benfica e FCP regressarem aos trabalhos sem grandes novidades. Nos encarnados Ola John é a principal figura, nos azuis fazem-se contas áqueles que ainda podem sair. Moutinho, Hulk e Alvaro Pereira são os mais cobiçados. Contudo, arrisco a apostar que iremos ter um campeonato com praticamente as mesmas figuras do ano passado. Isso será bom em termos de espectáculo pois não iremos assistir ao famoso período de adaptação por parte de algumas estrelas. A manutenção dos técnicos também servirá para que não se perca tempo a ensaiar novas tácticas. A garantia de permanência da maioria dos jogadores e a aposta na continuidade técnica são factores que Benfica, FCP e Sporting têm em vantagem no campo interno mas também externo, já que depois do brilharete da selecção, o futebol português vai estar sob vigilância.

Dos quatro grandes, o unico que mudou de técnico foi o Braga. Peseiro entrou para o lugar de Jardim que foi para a Grécia. Uma aposta forte de Salvador que pretende assim dar um sinal aos adeptos mais também aos jogadores. Esta será uma temporada para ganhar, nem que seja apenas a taça da liga, mas com Peseiro ao leme, a ambição do Presidente bracarense está na luta pelo titulo. Em termos de jogadores, ainda é cedo para se perceber a equipa-tipo, mas Peseiro deverá jogar no 4-4-2 losango que tanto sucesso deu no Sporting.

Com estes condimentos todos, há a garantia de espectáculo na frente do campeonato, porque daí para baixo vamos assistir a um campeonato dos pobres. O Guimarães anunciou um corte no orçamento e lutará pela manutenção, o Nacional é uma incógnita. O Maritimo e Olhanense poderão continuar as boas exibições da temporada passada. A vencedora da Taça andará a sofrer, até porque até Dezembro estará a jogar duas competições.

Curiosidade para ver em acção o "novo" Paços Ferreira de Paulo Fonseca, o Rio Ave que após decadas já não tem Carlos Brito, terá um estreante Nuno Espirito Santo e o Estoril Praia, vencedor da 2ªliga.

Sem comentários:

Enviar um comentário